Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Sexo em grupo, não se deixem enganar! (Parte II)

por cavalheirosdoapocalipse, em 21.02.07
No dia 14 de Fevereiro, pelas 20 horas, dirigi-me acompanhado da minha esposa à morada que me foi indicada por telemóvel. Um senhor abriu-nos a porta e encaminhou-nos para junto dos outros participantes. Ao chegarmos à sala, a primeira surpresa: apenas se encontravam homens, mais concretamente, 25 homens.
Passado pouco tempo, um senhor perguntou muito educadamente: “será que não se inscreveram mais gajas?”. Nós encolhemos os ombros e ninguém sabia responder.
Eu e a minha esposa conversamos com uns senhores da Trofa muito simpáticos e até falamos da questão do aborto e descobrimos que eles também votaram “Não” como nós.
O tempo passava e ninguém aparecia. Um jovem, que mais tarde vim a saber que era de Ovar, levantou-se e disse que era melhor chamarem alguém. O porteiro entrou e mostrou uma cara surpreendida. “Então, ainda não começaram?”. As pessoas ficaram indignadas. “O sr. porteiro deve estar a brincar connosco, então isto só tem aqui uma senhora, como quer que façamos uma orgia? Isto é uma vergonha!”, disse um dos senhores da Trofa. O porteiro disse que não havia quotas mínimas para mulheres e para homens. O senhor da Trofa levantou-se, “está a brincar comigo, querem quotas no parlamento e aqui, que é onde deviam existir, não existem. Estou indignado e alguém vai ter que pagar por isso”. “Pois, mas o Sr. R. está no estrangeiro e só volta daqui a 15 dias”.
As pessoas ficaram estupefactas e não sabiam o que fazer. “O chato disto é que para além de ser difícil que todos obtenham um orgasmo, como se tratava de uma orgia eu vinha a contar ter três ou quatro orgasmos e agora acontece-me isto”, disse o senhor da Trofa. Todos concordaram, era uma vergonha!
O porteiro disse para estarmos à vontade, que ele não podia fazer nada. Os senhores olharam para mim e para a minha esposa expectantes. Tomei então a palavra: “estou tão indignado como todos os presentes. Acima de tudo considero uma falta de respeito e mais uma vez uma manifestação da atitude pouco profissional que caracteriza a sociedade portuguesa. É graças a amadorismos destes, à falta de empenho dos responsáveis na operacionalização dos projectos e na implementação dos mesmos que Portugal está no estado actual”. O senhor da Trofa concordou comigo e propôs fazermos uma carta a denunciar aquela situação, depois via-se a quem é que a iríamos enviar. Entretanto, o jovem de Ovar perguntou “avançamos ou não?”.
Claro que todos esperavam pela minha resposta. “Eu não quero boicotar, estou solidário com todos vocês, também porque estou na mesma situação. Eu e a minha esposa participamos, mas tem que ficar claro que iremos reclamar e actuar nas devidas instâncias. É que isto não pode ser assim, eles vão vê-las e haverão de aprender”.
O certo é que as coisas avançaram, um pouco de forma desorganizada, mas veio ao de cima o espírito de entreajuda e a solidariedade que caracteriza o povo português. Devo realçar que foram todos de uma boa educação extraordinária e valeu-nos a liderança de um senhor de Moreira de Cónegos, que se mostrou expedito e no final todos lhe demos os parabéns. É nestes momentos que se vêem os líderes. Ele depois confidenciou que trabalhava em organização de eventos. Naquele momento, todos sentimos orgulho em ser portugueses e houve mesmo um momento bonito em que cantamos o hino e um senhor de Nine colocou uma bandeira portuguesa atada ao pescoço. Não mentirei se disser que me vieram as lágrimas aos olhos. Lembro-me que, por descuido, um senhor de Rio Tinto pisou-me uma virilha, mas de imediato foi-me buscar gelo e pediu-me imensas desculpas. Outro senhor de Vila das Aves fez-me uma massagem quando tive um torcicolo. Tudo decorreu com o máximo de civismo.
Contudo, tivemos muitos problemas que julgo que a organização deveria assumir e ser penalizada por isso. O sr. de Nine apresentava, no final, sérios sintomas de uma constipação, porque a casa não tinha qualquer aquecimento. A minha esposa desenvolveu todos os esforços para que tudo corresse pelo melhor, mas muitas vezes tínhamos de aguardar sem roupa no hall de entrada a falar de futebol, porque tudo ficava muito confuso na sala de estar.
O jovem de Ovar sentiu-se mal e afirmava que não iria conseguir, mas o senhor de Rio Tinto fez-lhe um chá de camomila e disse para ele não ter complexos que aquilo devia ser do fígado.
Já no final, para quem pretendia repetir tivemos que pôr a Joana com quatro e cinco senhores ao mesmo tempo, porque como disse o sr. de Moreira de Cónegos, “a este ritmo nem às seis da manhã saímos daqui e se todos quiserem repetir, nem às onze”. E depois ficava muito tarde para quem era de longe. O jovem de Ovar até perguntou se ninguém queria experimentar nada entre homens, “não é que eu queira, é só uma ideia, a coitada da Joana bem precisa de uma mãozinha, ela vai ficar estafada”. “É verdade”, disse o senhor da Trofa, “tens uma esposa cinco estrelas, uma senhora, houvesse mais como ela neste país”. Os homens enviavam olhares duvidoso para um e para o outro lado, mas realmente tínhamos que deixar de ser egoístas e pensar um pouco na Joana. Então o pessoal começou a entreter-se uns aos outros. O sr. da Trofa foi muito simpático e carinhoso e até reparou que eu tinha caspa, recomendou-se um champô que costuma comprar na farmácia e não deixa o cabelo muito seco.
Deste modo, peço a todos que reenviem esta denúncia para que possamos combater a falta de profissionalismo que continua a emperrar Portugal. Na qualidade de usufrutuário de um serviço, senti-me enganado. Todos os dias ouvimos o governo falar de modernidade, de desenvolvimento e de simplificação. Mas não foi isso que eu testemunhei neste bacanal. Acima de tudo, urge garantir quotas mínimas de mulheres nas orgias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sexo em grupo, não se deixem enganar! (Parte I)

por cavalheirosdoapocalipse, em 21.02.07
Há quinze dias deparei-me com uma promoção de uma orgia aberta a todos “os cavalheiros, senhoras e casais de bom gosto”, a decorrer numa moradia na Maia. Na altura, como a publicidade me suscitava algumas dúvidas contactei por e-mail a organização (segue o e-mail enviado):

Ex.mos senhores
Venho por este meio contactar-vos para solicitar alguns esclarecimentos adicionais acerca da orgia que v. Exª intenta organizar na Maia. O texto promocional, cuja versão remeto em anexo, sobre a supra-citada orgia levantou-me algumas dúvidas, e gostaria que V. EXª ou alguém devidamente mandatado para o efeito se dignasse a esclarecê-las:
1º- que providências foram tomadas para acautelar possíveis discriminações no usufruto das pessoas participantes, ao abrigo do disposto no artigo 4º da lei nº 134/99, de 28/08;
2º se foram implementadas medidas preventivas para assegurar que o acto penetrante apenas deverá ocorrer por parte de indivíduos do sexo masculino em indivíduos do sexo feminino;
se vai ser garantida a igualdade de acesso à orgia a minorias étnicas e religiosas como judeus, islâmicos, testemunhas de jeovás, mormóns ou hindus e não apenas à maioria católica; e se será assegurada a liberdade de expressão religiosa na utilização de símbolos como crucifixos, velas, fato e gravata no caso dos mórmons ou o véu islâmico (recordo que devem ter a atenção à utilização de carnes de porco em algumas fantasias caso se verifique a participação de judeus);
4º se está assegurado o não uso de palavras e expressões atentatórias à dignidade e direitos da mulher.
Desde já agradeço a atenção dispensada e fico a aguardar por uma resposta breve
Melhores cumprimentos
JP


A resposta não se fez esperar:
Olá JP
Tudo garantido. Inscreve-te que vai ser uma loucura, já temos mais de 25 inscritos. Vai já ao site e efectua a tua inscrição e respectivo pagamento.
Abraço
R.


Embora a mensagem fosse curta, fiquei mais sossegado e inscrevi-me.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Vídeos de Humor

Mais sobre mim



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.